Pesquisar neste blogue

sábado, 16 de junho de 2018


Bancos Criados na Madeira que Desapareceram (9)
De acordo com o Relatório e Contas, o ano de 2000 apresenta-se para o BANIF um ano de “consolidação da globalização dos mercados financeiros e da economia real, tendo-se continuado a verificar processos de mega fusões” ao nível das empresas, mas com efeitos no sistema financeiro português. A “actividade do Banco na Região Autónoma da Madeira foi caracterizada por um forte incremento da actividade comercial a que correspondeu um significativo aumento do volume de recursos captados e do crédito concedido”. A rede de agências em toda a Região atingiu as 28. O Relatório refere que “São significativos os aumentos de 17% no volume total de depósitos de Clientes e de 33% do crédito concedido”. Foram admitidos 222 empregados “para fazer face à abertura de novas agências” e recompor o quadro de pessoal, tendo saído 109. No final do ano, o Banco tinha 1.331 empregados, dos quais, 71% estavam nas áreas comerciais. Mas o Grupo Banif contava com 2.685 empregados.
O ano de 2001 é marcado pelo lançamento do projeto da remodelação do edifício-sede do BANIF, da autoria do arquiteto Siza Vieira, apresentado em 14 de julho daquele ano. Na cerimónia, realizada no Salão Nobre da Câmara Municipal do Funchal, Horácio Roque, presidente do Conselho de Administração, salientou que “O Banif há muito que deixou de ser uma pequena instituição (…) se o Banif é cobiçado é porque é um banco forte e potencial (…) é um grande banco, com uma solidez invejável, razão porque, de tempos em tempos, alguns sectores da concorrência fazem sair cá para fora notícias infundadas de que o Banif adere a fusões ou algo semelhante. Isso é um disparate”.
Em assembleias gerais a realizar a 21 dezembro de 2001, cujas convocatórias foram publicadas na II série do Jornal Oficial da Madeira, do dia 20/11/2001, e no Jornal da Madeira de 20 de novembro, aparecem vários tipos de obrigações, tais como: Obrigações de Caixa subordinadas BANIF 96; Obrigações de Caixa subordinadas BANIF 97; Obrigações de  Caixa  EUROPA/JAPÃO -2002; Obrigações de Caixa Banif – Europa Rendimento garantido; Obrigações de Caixa subordinadas BANIF 2001/2011 1ª emissão; Obrigações de  Caixa subordinadas BANIF 2000/2010 2ª emissão; Obrigações de  Caixa subordinadas BANIF 2000/2010. Outra assembleia geral visou a aquisição e ou alienação pelo Banif de ações de várias empresas do Grupo BANIF.
De acordo com o Relatório e Contas de 2001, o BANIF tinha 31 Agências em toda a Região, que asseguram “uma forte cobertura do Banco em toda a Região e orienta a sua actividade comercial para os particulares e empresas de pequena/média dimensão”.
No tocante à Sucursal Financeira Exterior: “Verificou-se, ao longo do ano, um bom crescimento do volume de transacções, fruto de um cada vez maior reconhecimento do nome do Banco e da sua Sucursal Off-Shore no mercado internacional”.
A Filial nas Ilhas Cayman, durante o primeiro semestre, efectuou duas emições de obrigações indexadas ao risco Brasil (…) nos montantes de EUR 10,75 milhões e de EUR 10 milhões, que foram integralmente colocadas junto de clientes particulares e institucionais do Grupo”.
Em 2001, o BANIF gerou um resultado, líquido de impostos, de 11.821.430,83 euros (2.369.984.097$00). O Conselho de Administração salienta que o resultado “foi fortemente afectado pela provisão constituída nos termos do Aviso nº 3/95 do Banco de Portugal, para fazer face à depreciação da participação financeira do Banco na Banif Açores, SGPS, SA no montante de 7.262.993,56 Euros (Esc. 1.456.099.474$00).
Gregorio Gouveia

sábado, 9 de junho de 2018


Bancos Criados na Madeira que Desapareceram (8)
No exercício de 1997, o BANIF gerou um resultado, líquido de impostos, no montante de 2.266.142.678$42. Também apresentou “Resultados Transitados do Exercício de 1996, no montante de 5.920.000$00, correspondentes aos dividendos relativos a 1996 das acções detidas pelo Banco no primeiro dia útil do período de pagamento dos mesmos, pelo que a Aplicação de Resultados se reporta ao montante global de Esc. 2.272.062.678$42”, que foram distribuídos da seguinte forma:
226.614.268$00 para Reserva Legal; 120.448.410$42 para Outras Reservas; 1.800.000.000$00 para Dividendos (Dividendo de 80$00 por ação); 125.000.000$00 para Distribuição pelos Empregados.
Em 31/12/1997, foi convocada uma assembleia geral dos detentores de “Obrigações de Caixa Subordinadas Banif/96”, a ter lugar no dia 11/02/1998 para “Proceder à nomeação do representante comum dos obrigacionistas e, eventualmente, de um ou mais substitutos; Fixar a remuneração e duração do mandato do representante comum dos obrigacionistas”. Estas obrigações tinham sido emitidas a 09/12/1996, no montante de 5.000.000 contos. Como se vê, não é nova a questão, agora tão falada, das obrigações subordinadas.
Na assembleia geral do dia 30/03/1998 foi aumentado o capital do BANIF, passando de 22.500.000$ para 30.000.000$00. Com este aumento de capital, foram alterados e republicados os estatutos do Banco, mantendo como órgãos sociais a Assembleia Geral, o Conselho de Administração e o Conselho Fiscal. Mas o Conselho de Administração é assistido por um Conselho Consultivo. Há também uma Comissão de Vencimentos, “composta por três accionistas eleitos pela Assembleia Geral, por um período de três anos, cujas decisões serão sempre tomadas por maioria”.
Devido a “irregularidades graves” na Agência de Câmara de Lobos, a Polícia Judiciária deteve, a 04/04/1998l, o anterior gerente, após participação feita pela administração do Banco.
A aplicação de Resultados de 1998, no total de 2.374.728.705$30, foram distribuídos da seguinte forma: 237.472.871$00 para Reserva Legal; 37.255.834$30 para Outras Reservas; 2.100.000.000$00 para Dividendos (Dividendo de 84$00 por ação); não consta nenhuma verba para distribuir pelos empregados, o contrário do que tinha acontecido no ano anterior.
Em meados do ano de 1999, o BANIF representava 3% do setor bancário português. E havia adquirido 51% do capital do Banco Primus, uma instituição brasileira. Horácio Roque, na altura presidente do Conselho de Administração referiu (JM, 30/07/1999) que “os planos da instituição financeira portuguesa na América Latina incluem um crescimento. É a internacionalização do Banco com raízes madeirenses e que, a nível do País, está em crescente expansão. Na Madeira, o Banif reúne a maior percentagem da clientela bancária assumindo-se, com destaque, como a principal instituição de crédito da Região”.
No Relatório e Contas de 1999 aparece um diagrama com a designação do nome das 10 Direções Comerciais e 9 Direções Administrativas do Banco. Refere também o Resultado do Exercício, líquido de impostos, no montante de 1.957.222.561$00 (euros 9.762.584,98), assim distribuídos: 195.722.256$00 (euros 976.258,50) para Reserva Legal; 406.789.356$00 (euros 2.029.056,75) para Resultados Transitado; 1.323.181.200$00 (euros 6.600.000,00) para Dividendos; 31.529.749$00 (euros 157.269,73) para Outras Reservas; não consta nenhuma verba para distribuir pelos empregados.
 (continua)


Bancos Criados na Madeira que Desapareceram (7)
No ano de 1997 o BANIF deu seguimento à política de promoção dos seus produtos financeiros junto dos seus clientes e do público em geral. Na Região, no País e no estrangeiro onde existem emigrantes madeirenses a publicidade tinha muita força e era permanente. O “Crédito Banif Habitação” era “Tão fácil como abrir um sorriso”. Esta expressão fazia parte da publicidade nos órgãos de informação escrita para apelar à aquisição ou construção de “casa própria permanente, secundária ou para arrendamento”, para “Obras de beneficiação”, “Depósitos de Poupança Emigrante”, “Depósitos à Ordem e a Prazo em MN/ME no Offshore da RAM, com Benefícios Fiscais e Transferências de Valores de e para o Estrangeiro”, bastando “dirigir-se a uma agência do Banif e preencher um simples impresso de adesão”. Era muito fácil e bastava “Não mais de 48 horas”. “E os jovens gozam de condições especiais? Claro que sim. Todos os que ainda não tenham feito 31 anos à data da escritura, podem optar pelo Regime Jovem Bonificado e beneficiar de condições mais vantajosas”.
A 30/06/1997, o BANIF endereçou uma carta aos clientes, emitida em Lisboa e subscrita pela Directora de Património, Administrativa e de Segurança, Assunta Velosa, a apresentar “uma proposta de valor que, esperamos, venha a merecer a sua atenção”.  O objetivo da proposta era a venda de imóveis que estavam na propriedade do Banco, resultado de empréstimos não pagos pelos clientes. Já naquele ano havia as agora chamadas «imparidades». Por isso, diz a carta, “Ao longo de alguns anos o Banif, pelas mais variadas razões, tornou-se proprietário de imóveis que, como sabe, não constituem o fulcro da actividade bancária. Neste sentido, é nosso propósito propor a venda dos mesmos aos nossos clientes, em condições bastante vantajosas, disponibilizando Linhas de Crédito que poderão ascender a 100% do valor de aquisição do imóvel”. Anexada à carta vinha uma brochura com informações sobre alguns imóveis e os contactos do Banco em Lisboa e na Madeira.
Ao longo daquele ano, o BANIF manteve o interesse em adquirir 34% das ações que o Governo Regional dos Açores detinha no Banco Comercial dos Açores. Em entrevista ao jornal «Semanário», de 27/12/1997, Castro Rocha, Presidente da Comissão Executiva do BANIF, declarou acabar com um conflito com o Governo dos Açores e que “a Banif Açores, SGPS, aumentou já a posição no BCA adquirindo aos trabalhadores 8,06 por cento. Os trabalhadores, pequenos subscritores e emigrantes tinham as suas ações vinculadas ao compromisso de indisponibilidade durante um ano. Esse prazo terminou em Novembro passado”.
De acordo com o Relatório e Contas de 1997, “foram admitidos no Banco 163 empregados, dos quais 78 com formação superior. Saíram no mesmo período 58 empregados, sendo o quadro de pessoal efectivo do Banco em 31 de Dezembro de 1997 constituído por 1.116 empregados. Ao nível do Grupo Banif, incluindo as seguradoras do Grupo, o quadro de pessoal nessa data eleva-se a 2.100 empregados”.
Verificou-se, naquele ano, que o Grupo BANIF foi ampliado com mais algumas sociedades, tais como: BANIF (Açores) SGPS, S.A. com 72% no capital de 3 000 000 contos; BANIF (Brasil), Lda, com capital de R$ 150 000; Oceânica – Companhia de Seguros, com capital social de 2 335 000 contos; Açor Pensões, com capital de 200.000 contos. No exercício de 1997, o Banco gerou um resultado, líquido de impostos, no montante de 2.266.142.678$42.
 (continua)

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Bancos Criados na Madeira que Desapareceram (6)
O ano de 1994 marcou uma viragem na administração do BANIF. Raúl Capela, que era presidente do Banco desde a sua fundação, saiu em 31 de março dando lugar a José Manuel Castro da Rocha. A última grande ação de Raúl Capela foi a aquisição das ações que a UBP – União de Bancos Portugueses detinha na sociedade ASCOR DEALER – Sociedade Financeira de Corretagem, S. A., em que o BANIF já era titular de 10,377% do capital. Com esta operação da compra de 368 mil ações por 600 mil contos o BANIF passou a dominar 70% da ASCOR. Mas foi necessário recorrer a financiamento pela via da emissão de «empréstimos obrigacionistas». Outro objetivo fundamental do BANIF era abrir mais 53 balcões até 1996 (o dobro da sua rede), como forma de conquistar mais quota de mercado, “passando dos actuais 1,5 por cento para cerca de 5 por cento” (in Eco do Funchal, 25/03/1994).
O novo presidente, em entrevista ao DN, de 29/07/1994, afirmou que “o BANIF não teve propriamente uma política de alargamento da sua rede, da sua base de implementação e ainda hoje, um dos problemas mais importantes que temos para resolver é a baixa notoriedade que o Banif tem no Continente. Na Madeira, o banco tem uma excelente implementação e este posicionamento terá que ser a todos os níveis mantido”. Salienta que “as PME`s causaram ao banco os maiores problemas em termos de crédito vencido e malparado. Mas esse é um problema que não é específico do Banif e tem as suas raízes na crise económica que se vive actualmente em Portugal. Temos que o enfrentar através de uma afectação crescente de resultados e provisões”. No final de 1994, o BANIF tinha 57 balcões, 33 dos quais estavam no território continental, especialmente na Grande Lisboa, Grande Porto e Zona Litoral, e de 2 sucursais exteriores e 1 filial off-shore nas ilhas Caymão, processo que continuou a desenvolver para abranger importantes centros da atividade económica do País e no estrangeiro.
O ano de 1995 marcou a nova fase da expansão do BANIF, em todas as frentes onde foi possível a nova administração intervir. A publicidade em jornais apresenta nova formulação de captar clientes. O seguinte exemplo paradigmático está no jornal «Século de Joanesburgo», de 27/11/1995: “BANIF. DESDE A SUA ORIGEM SEMPRE AO PÉ DE SI.  Conte com o BANIF- Banco Internacional do Funchal para todos os serviços que só um Banco de grande solidez é capaz de assegurar. Tenha a seu lado o comprovado profissionalismo que faz o BANIF progredir com rapidez e segurança. O BANIF, o maior Banco da Região Autónoma da Madeira, expande-se hoje por todo o Portugal Continental. Fale connosco. Vai sentir que queremos apoiá-lo”. E no mesmo jornal do dia 25/03/1996, a publicidade dizia: “Milhares de Quilómetros nos separam. Um só Banco nos Une”.
No fim do ano de 1995, a composição do grupo BANIF tinha mais 3 empresas que em 1992: Banif – Banco Internacional do Funchal (Cayman), Lda, capital social 26 000 000,00 dólars, participação de 100%; Espaço Dez, capital social de 400 contos, participação de 25%; Mundichiado, capital de 5 000 contos, participação de 100% (sem atividade).
Novas etapas do BANIF em 1996, não só com a compra de 56% do capital do BCA – Banco Comercial dos Açores que detém a Companhia de Seguros Açoreana; aumento do capital de 17,5 para 22,5 milhões de contos, com escritura no dia 2 de setembro. O aumento de 2,5 milhões de contos foi por incorporação de reservas. Os restantes 2,5 milhões foram reservados a acionistas, órgãos sociais e trabalhadores do Banco.
(continua)

Bancos Criados na Madeira que Desapareceram (5)
O BANIF desenvolveu a sua atividade ao longo do ano 1992 “prosseguindo o esforço que tem vindo a ser desenvolvido no sentido da criação de um grupo de empresas da área financeira complementares da actividade do Banco, procurando-se através de uma estratégia de «cross selling» e de uma capacidade de resposta mais diversificada contribuir para fidelização crescente dos nossos clientes”. Esta é uma citação do Relatório, Balanço e Contas do Exercício de 1992 do BANIF e do Grupo BANIF Consolidado, publicado no JORAM, nº 38, 3º Suplemento, II Série, de 07/04/1993.
Naquele ano o resultado da atividade desenvolvida determinou um lucro de 4 309 684 contos, tendo sido aplicado: para reserva legal, 430 968 contos; para outras reservas, 1 691 216; para distribuição de dividendos, 2 187 500. É o primeiro Balanço em que aparecem várias empresas do Grupo BANIF, no sistema de contas consolidadas. No grupo das empresas filiais compreendidas na consolidação constam: - o BANIF – Banco Internacional do Funchal, S.A. com sede no Funchal; - BANIF Investimentos, SGPS, S.A., com sede em Lisboa, com 100% de capital detido pelo Banco; - BANIFÓLIO – Sociedade Gestora de Património, S.A., com sede em Lisboa, com 100% de capital detido pelo Banco; - BANIFUNDOS – Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, S.A., com sede em Lisboa, com 100% de capital detido pelo Banco.
No grupo das empresas filiais excluídas da consolidação aparecem: - INVESFREIRAS – Investimento Imobiliário, S.A. com sede em Lisboa, com 100% de capital detido pelo Banco; - SGM – Sociedade Gestora de Fundos de Pensões Mundial, S.A., com sede em Lisboa, com 100% de capital detido pelo Banco; - MUNDICRE – Sociedade Financeira para Aquisição a Crédito, S.A., com 50% de capital detido pelo Banco; - MUNDILEASING – Sociedade de Locação Financeira, S.A., com 50% de capital detido pelo Banco.
No grupo das empresas associadas surge: - ASCOR DEALER – Sociedade Financeira de Corretagem, S. A., com sede em Lisboa, com 10,377% de capital detido pelo Banco.
No ano de 1993 a atividade desenvolvida determinou um lucro menos de metade do ano anterior (4 309 684 contos em 1992, 1 752 577 em 1993).
Com 739 empregados no final do ano, a situação do BANIF reflete o estado de crise que se estende a outros Bancos do sistema financeiro nacional. Apesar disso, o Relatório e Contas de 1993 salienta: “O Banco prosseguiu a política de expansão e consolidação da sua imagem externa através do crescimento com a Banca internacional, tendo aumentado a rede de Correspondentes no Estrangeiro e os acordos de agenciamento com os mesmos”.
Mais refere que “Na REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA foi prosseguida a consolidação da posição de primeiro Banco Comercial que o Banco detém, tendo, nomeadamente, sido lançado um novo produto - a Conta BANIF Caderneta - especificamente concebido para responder a necessidades específicas de alguns segmentos da respectiva clientela de Particulares”.
A 28/05/1993 o BANIF obteve uma licença para exercer a atividade bancária, criando uma filial em Georgestown, no Centro Financeiro “offshore” das Ilhs Caimão com a designação social de BANIF – Banco Internacional do Funchal, (Caymann), Lda
 (continua)

sábado, 12 de maio de 2018

Bancos Criados na Madeira que Desapareceram (4)
Para gerir o BANIF foi chamado o Dr. Raul Capela, tendo afirmado que “a CEF promoveu o aumento excessivo do seu quadro de pessoal, na sua generalidade de baixo nível técnico e profissional, e nalguns casos ético e deontológico numa evidente perda de controlo”. De tal ordem que o BANIF recebeu um total de 446 trabalhadores, tendo criado na administração do novel Banco a urgente necessidade de acertar o número ideal para viabilizar a gestão futura. Alterou o modelo hierarquizado da gestão pesada ao nível do elevado número de balcões por toda a Região com um gerente e dois subgerentes. Dos 446 trabalhadores que vieram da CEF, 176 foram dispensados. Alguns deles foram admitidos na Empresa de Electricidade da Madeira que também era acionista do BANIF. O processo foi doloroso para aqueles trabalhadores, tendo o Sindicato dos Bancários de intervir para evitar grandes prejuízos pessoais, nomeadamente no que respeitava aos apoios médico-sociais, uma vez que, no dia 22/01/1979, tinha sido celebrado o acordo de adesão entre a CEF e aquele sindicato.
Em julho de 1990, o BANIF tinha 270 trabalhadores, número ainda excedentário, no dizer do administrador-delegado, Marques de Almeida, “mas que já não é um factor condicionante à evolução positiva da instituição de crédito”.
No final do mês de outubro de 1990, o BANIF tinha 22% da quota do mercado. Mas, segundo afirmou o Presidente do Conselho de Administração, dr. Raul Capela, nas Jornadas Financeiras realizadas no dia 19/11/1988: “Somos uma instituição em transição de uma outra sem cultura e com má imagem junto do público, para uma com boa imagem perante a população”.
No final do primeiro ano de exercício, o ativo líquido do BANIF ascendeu a cerca de 78,8 milhões de contos, correspondendo a um acréscimo de 19,7% em relação ao valor registado no seu balanço de constituição. O montante do crédito concedido foi de 36,5 milhões de contos, que corresponde a 42,7% do ativo bruto. Segundo o Relatório, “a elevada taxa de crescimento, desde a sua constituição até ao final do ano, foi possível graças à evolução verificada nos recursos do banco e aos dois empréstimos externos contraídos com cobertura de risco de câmbio”. Os depósitos a prazo, à ordem e de poupança atingiram 61 milhões de contos e o resultado contabilístico do exercício foi negativo em 2,7 milhões de contos. Mas, segundo a administração: “caso não se tivesse procedido às amortizações, devidas a prejuízos da extinta CEF, o BANIF teria apresentado um resultado positivo de 463 mil contos”.
No início de 1992, o Estado ainda detinha 2,5 milhões de ações do capital do BANIF, quer através do Tesouro, quer da Caixa Geral de Depósitos e de outras instituições de capital público.
O administrador Raul Capela referiu (Eco do Funchal, de 28/02/1992, citando Luís Naves do «Semanário») que os acionistas têm direito de opção na aquisição daquelas ações “quando o tesouro pretender vendê-las. Só para este efeito está em curso um processo de avaliação do banco”.
Naquele ano, o BANIF procedeu à sua expansão com a abertura de novas agências no Continente e já liderava o mercado bancário da Madeira. Para além da sua sede no Funchal, a da Rua Alexandre Herculano, em Lisboa, e o estabelecimento principal no Porto, tinha 6 Dependências no Funchal, 16 Agências na Madeira e Porto Santo e 18 Agências em todo o território continental.
(continua)       

sábado, 5 de maio de 2018


Bancos Criados na Madeira que Desapareceram (3)
O ano de 1987 representou para o sistema financeiro português, em geral, uma fase de muitas expetativas quanto ao futuro e, especialmente, em relação aos Bancos públicos. Tratava-se não só dos Bancos privados pretenderem a criação de Papel Comercial, como também todo o sistema desejar mais operações no mercado monetário e criação de um fundo de garantia de depósitos.
A Caixa Económica do Funchal (CEF) foi atingida com os reflexos do que aconteceu no restante mundo financeiro que, somando aos problemas internos, levou à criação do BANIF - Banco Internacional do Funchal S.A., passados 109 anos após a criação daquela Caixa Económica.
O Governo Regional, cliente e principal apoiante da política seguida pela CEF, quando se deu de conta do estado financeiro da “única instituição de crédito madeirense”, inclusivamente quanto à avultada admissão de pessoal, impulsionou contactos com o Governo da República para encontrar uma solução airosa para CEF.
Foi a criação do BANIF – Banco Internacional do Funchal, S.A. que evitou a falência da CEF, quando no dia 15/01/1988 foi registado na Conservatória do Registo Comercial do Funchal, sob o nº 3658.
Da extinta CEF foram transferidos para o BANIF 9,8 milhões de contos de prejuízos acumulados. Só o Governo Regional devia milhões de contos à extinta CEF, através de uma conta corrente que era utilizada para se financiar. O BANIF conseguiu em três anos “limpar” os prejuízos herdados da CEF, passando a poder distribuir dividendos aos acionistas.
Ao contrário do que muita gente possa pensar, o BANIF só nasceu porque o Governo da República investiu muito dinheiro, sendo o maior acionista daquele Banco.
Cavaco Silva era Primeiro-Ministro e Miguel Cadilhe o Ministro das Finanças. Ambos aceitaram aplicar dinheiro dos contribuintes no BANIF para salvar a CEF.
O BANIF foi constituído com o capital inicial de 11 milhões de contos. Em julho do mesmo ano, o capital passou para 15 milhões e, em 30/01/1989, a assembleia de acionistas deliberou aumentar para 17,5 milhões de contos, montante que se manteve até 18/03/1996, altura em que passou para 22,5 milhões de contos. No aumento do capital para 17,5 milhões de contos, a emissão de 2,5 milhões de ações, no valor nominal de 1.000$00 cada e o ágio de 1.000$00 por ação, foi limitada ao acionista Estado Português que o realizou totalmente.
Quando em 20/02/1991 foi publicada na imprensa regional a lista dos 990 acionistas do BANIF, a Direcção-Geral do Tesouro tinha 1.841.000 ações; a Caixa Geral de Depósitos, 800.000; o Instituto de Seguros de Portugal/Fundo de Garantia Auto, 880.001; a União de Bancos Portugueses (nacionalizado), 1.871.835; a Empresa de Electricidade da Madeira, 258.000; os Cimentos Madeira, 101.489; a Empresa Madeirense de Tabacos, 300.416.
O maior acionista privado era Horácio Roque com 1.596.547 ações. José Berardo e a sua Fundação tinham juntos apenas 506.992. A Associação de Socorros Mútuos «4 de Setembro de 1862» também ficou acionista com 432.116 ações.
(continua)